Economia comportamental ganha o Prêmio Nobel

Saiu neste dia 09/10 o vencedor do Prêmio Nobel de Economia de 2017, o Professor da Chicago University Richard Thaler (foto) foi o contemplado nesta edição do Prêmio. Thaler é nascido em Nova Jersey nos Estados Unidos e tem 72 anos.

Sua agenda de pesquisa é relativamente nova no campo da ciência econômica, a chamada economia comportamental tem a ver com o estudo das decisões econômicas por parte dos agentes individuais, e apresentado paradigmas absolutamente novas. Desde os primórdios, uma das mais importantes questões da ciência econômica é a estilização do comportamento dos agentes, desde Benthan e James Mill cuja teoria moral estilizou um comportamento maximizador do prazer e minimizador da dor.

Em seguida, a teoria do consumidor de Marshall, formalizou o Homo Economicus de Mill e Benthan na figura do consumidor representativo, limitado por uma restrição orçamentária, este consumidor realiza, nesta abordagem, escolhas ótimas a partir de um conjunto de preferências contempladas em uma curva de indiferença que maximiza sua utilidade do consumo, e minimiza seus custos.

Além de Marshall, outros economistas relevantes desenvolveram suas teorias a partir da hipótese do agente racional maximizador, Walras, Pareto e Edgworth estilizaram modelos de trocas reais a partir de indivíduos racionais. Mais recentemente, John Nash também parte de indivíduos que realizam escolhas ótimas e que preveem que seus adversários também realizam escolhas ótimas, através de um jogo sequencial, os indivíduos buscam mutuamente um equilíbrio onde nenhum participante tem incentivo para mudar sua condição.

A figura do agente racional maximizador é um dos principais pressupostos da teoria econômica até hoje, sua influência ultrapassa os limites do estudo da microeconomia e, influencia todo o desenvolvimento da macroeconomia de fronteira, baseada nos modelos de equilíbrio geral dinâmico estocástico, que estimam funções de reações do Banco Central a partir dos impactos de choques de oferta e demanda e sua influência na fixação de preços e salários dos agentes individuais.

Recentemente, surge como linha de pesquisa na economia, a chamada economia comportamental, que contesta a racionalidade ilimitada dos agentes econômicos. O vencedor do prêmio Nobel, Professor Thaler, tem relevantes contribuições nesta área do conhecimento, e incorpora fatores da psicologia moderna para questionar a hipótese da racionalidade. Segundo esta abordagem, os consumidores não agem racionalmente no manuseio com suas finanças pessoais, e o avanço desta agenda de pesquisa tenta explicar o endividamento excessivo de famílias, além das compras compulsivas.

Uma curiosidade sobre o Prêmio Nobel é que desde 2011, quando venceram o Nobel os macroeconomistas Thomas Sargent e Cristopher Sims, com contribuições sobre causalidade na pesquisa de Macroecomia. A partir de então, em todos os anos a premiação foi destinada para agendas de pesquisa ligadas a área da microeconomia.

O Professor Benito Salomão e sua equipe parabeniza o Professor Richard Thaler por esta merecida e relevante conquista, e pela sua brilhante agenda de pesquisa.

Leia a repercussão do Nobel nos links abaixo:

Portal G1

Correio Braziliense

Veja aqui a lista de todos os vencedores do Prêmio Nobel

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

*

Translate »